Embu-Guaçu

Município de Embu-Guaçu

  Bandeira de Embu-GuaçuBrasão de Embu-Guaçu

Fundada em 28 de Março de 1965
Características geográficas
Área 155,641 km² [4]
População 67 296 hab. (SP: 107º) –  EstimativaIBGE/2015[4]
Densidade 432,38 hab./km²
Altitude 820 m
Clima Subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,749 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 441 660,396 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 7 158,08 IBGE/2008[6]
Página oficial
Prefeitura www.embuguacu.sp.gov.br

Embu-Guaçu é um município da Região Metropolitana de São Paulo, Microrregião de Itapecerica da Serra, no estado de São Paulo, no Brasil. Localiza-se na Zona Sudoeste da Grande São Paulo, em conformidade com a lei estadual nº 1.139, de 16 de junho de 2011 e, consequentemente, com o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (PDUI).

A sua população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 1 de julho de 2015 era de 67 296 habitantes. A sua área é de 155,641 km². Considerando estes números, a densidade populacional estimada para 2015 era de 432,38 habitantes por  km². Já a população aferida pelo IBGE no Censo de 2010 foi de 62 769 habitantes, resultando naquele ano, em uma densidade populacional de 403,32 habitantes por  km².

Topônimo

“Embu-guaçu” é um termo oriundo da língua tupi antiga e significa “cobra grande”.

Seu primeiro nome foi Ilha de Itararé, pois se julgou que esta era uma grande ilha fluvial, tal a quantidade de rios na região. Depois, veio a denominação M’Boy-Guaçu, também de origem tupi e, finalmente, Embu-Guaçu. Todos esses nomes, inspirados no Rio Santa Rita, extenso e cheio de curvas sinuosas.

História

No final do século XVIII, em uma de suas andanças pelos sertões paulistas, o casal de sertanistas José Pires de Albuquerque e Emília Pires de Moraes Pedroso chegou à região onde, atualmente, está localizado Embu-Guaçu. Impressionados com a beleza natural da região, decidiram fixar residência e erguer a primeira casa, feita de taipas e mão de obra escrava, próximo ao Rio Santa Rita (hoje, patrimônio da família Svartman, fundadora da primeira indústria do município: a “Indústria Química Paulista S/A”).

O povoado cresceu no início de 1900, com a chegada de imigrantes e novas famílias como os Roschel, os Creim, os Schunck, os Domingues, entre outros que constituíram as famílias pioneiras da região. Em 1920, José Pires de Albuquerque constrói a primeira indústria de farinha de mandioca.

Em 1932, Embu-Guaçu é elevado à condição de Vila, onde Benedito Roschel de Moraes inaugura a primeira casa comercial.

Por mais de meio século, a região apresentou um crescimento populacional, econômico e social bastante moroso, porém, com a chegada dos trilhos, a região começou a crescer em todos os sentidos. Em 1927, começaram as difíceis e demoradas obras de construção da ferrovia da Estrada de Ferro Sorocabana, com o ramal Mairinque-Santos, que desceria a Serra do Mar cruzando Embu-Guaçu, onde a obra chegou por volta de 1929. Em 1937, o novo ramal da ferrovia foi inaugurado.

A antiga Estrada de Ferro Sorocabana (1934-1971) transportava o café produzido no interior paulista para o porto santista. Nela, havia uma estação inaugurada em 5 de abril de 1934, onde houve tráfego de passageiros entre Embu-Guaçu e Santos até novembro de 1997. O nome da ferrovia foi, posteriormente, alterado para Ferrovia Paulista Sociedade Anônima (FEPASA: 1971-1998). Hoje, é administrada pela Rumo Logística, que opera o alto tráfego de trens de carga que cruzam o município,

Em 1944, Embu-Guaçu Guaçu foi elevado à categoria de distrito pelo decreto-lei nº 14.334/44, com uma área de 171 km², mas ainda sendo parte do município de Itapecerica da Serra.

Emancipação

O município itapecericano detinha um sério problema de repasse de verbas devido sua grande extensão territorial, sendo incapaz de manter toda sua área. Em decorrência desta dificuldade, movimentos emancipacionistas ganharam força e Embu-Guaçu foi emancipado, a partir da Lei estadual nº 8 092, 20 de fevereiro de 1964. As eleições municipais foram convocadas para o dia 7 de março de 1965.

Em 28 de março de 1965, Embu-Guaçu foi elevado à categoria de município, ocorrendo, então, a primeira legislatura, com posse do Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores, e conquistando definitivamente sua emancipação político-administrativa.

A comissão do movimento Pró-Emancipação, que trabalhou no sentido de que toda documentação e exigências da Lei Orgânica do Município fossem apresentadas à Assembleia Legislativa do Estado, era composta por: presidente, Sr. Fioravante Francisco; quatro vices-presidentes, Alexandre Rodrigues Nogueira, Antônio Albuquerque Filho, Valdomiro Pereira Rodrigues, Walter dos Reis; Secretário Geral, Benedicto Roschel de Moraes; e quatro secretários, Nilton Higino Martins, Francisco O. Martins, Luiz G. Ávila de Macedo, Rafael Cau; Tesoureiro Geral, Antônio Roschel de Moraes; e quatro tesoureiros, Angelo Flose, Kyiotoschi Morita, Antenor Hervelha e Pedro Júlio da Rocha.

Geografia

Uma análise da divisão territorial feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em 1 de junho de 1995 e confirmada em 15 de julho de 1999 indicou que município é constituído de dois distritos: Embu-Guaçu (distrito sede) e Cipó-Guaçu.[12]

Seus limites são Itapecerica da Serra a norte, a capital a leste, Juquitiba a sul, Itanhaém a sudeste e São Lourenço da Serra a oeste.

Hidrografia

O rio Embu-Guaçu é o principal rio da região, cujo nome deu origem ao topônimo do município. Ele serve a Represa de Guarapiranga, com volume aproximado de 44% da sua capacidade total.

Outros cursos d’água, córregos e rios afluentes do rio Embu-Guaçu também atravessam o município. O principal deles é o rio Santa Rita.

  • Represa Guarapiranga
  • Rio Embu-Guaçu
  • Rio Santa Rita

Meio ambiente

Embu-Guaçu apresenta 100% de seu território inserido em Área de Proteção de Mananciais (Leis Estaduais 898/75, 1172/76 e 9866/97), integrando também a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (Programa Man and Biosphere da UNESCO), estando ainda submetida ao Decreto Federal 750/93, bem como a outros instrumentos da legislação ambiental brasileira.

O município conserva vegetação natural, como manacás, angicos, jacaré-pau, bromélias, táfias, pau-incenso, araucárias, cedros, ipês e outras. Possui remanescentes da Mata Atlântica, paisagens belíssimas e diversidade tanto na fauna quanto na flora.

Clima

O clima do município, como em toda a Região Metropolitana de São Paulo, é o subtropical. Verão pouco quente e chuvoso. Inverno ameno e sub-seco. A média de temperatura anual gira em torno dos 18 °C, sendo o mês mais frio julho e o mais quente fevereiro. O índice pluviométrico é de 2 000 milímetros anuais, concentrados nos meses de verão.

Hino do município de Embu-Guaçu

Hino do município de Embu-Guaçu
Letra por Dom Pedro Villas Boas de Souza
Melodia por Dom Pedro Villas Boas de Souza

De amores mil façamos ressoar,
Embu Guaçu teu nome pelo ar
Pra que o Brasil enfim possa te ver,
A tua graça e o teu encanto conhecer.

As tuas flores multicores e palmeira
Terra gentil, como o Brasil tão brasileira…
Embu Guaçu teu nome hei de honrar
Pelo progresso teu hei de lutar
E defender a tua tradição
Semear paz e muita fé e união

Viver feliz a contemplar tua beleza
A respirar o puro ar da natureza,
Embu Guaçu meu berço, meu lugar
Eu hei de sempre, sempre te amar
Pedir a Deus a tua proteção,
Terra querida do meu coração.

Origem: Wikipédia.

Os comentários estão desativados.